5 Dicas para Liderar Pessoas em Busca da Excelência

Se você pesquisar a missão e a visão de algumas empresas, certamente vai encontrar, em muitas delas, uma palavra sendo muito utilizada. Trata-se do termo "excelência", um dos conceitos mais importantes do mundo corporativo. No entanto, para muitos, a "excelência" ainda é um termo abstrato, significando apenas um objetivo a ser alcançado.

Muito mais que um resultado, a excelência é um modo de desenvolver qualquer atividade. Em última análise, a excelência não é um lugar onde se chega, mas uma estrada por onde devemos caminhar para atingir os resultados que desejamos.

Se você reconhece a importância da busca pela excelência como meio de alcançar bons resultados, esse post traz uma lista de 5 dicas que todo líder deveria tratar como prioridade no relacionamento com sua equipe. Leia, reflita e faça uso delas no seu dia. Confira!

1. Demonstre ética e preze pela transparência

Procure ser o mais claro possível a respeito daquilo que você espera da equipe e mantenha uma gestão próxima das pessoas, dando o exemplo daquilo que você pede aos seus liderados. Quando estiver errado, não demore a reconhecer seu erro e busque maneiras de repará-lo. As pessoas valorizam a ética e a transparência nos relacionamentos.

2. Incentive a colaboração

Promover um ambiente sadio e de colaboração é um ótimo passo para a promoção de uma cultura da excelência entre os membros da sua equipe. Cada pessoa tem características e habilidades diferentes, que podem ser utilizadas de forma complementar, na execução de uma atividade. Seu papel enquanto líder é conhecer bem as características e habilidades do seu time e dar, a cada um, o desafio compatível com o que podem realizar melhor, apontando, claro, as ações que devem ser executadas em colaboração com outros. Dessa forma,  alcançar os objetivos se torna mais fácil.

3. Mantenha comunicação aberta

Esteja sempre pronto a ouvir. E ouvir aqui não é apenas um mero escutar para cumprir tabela, mas a tão importante escuta ativa. Preste atenção ao que seu colaborador está dizendo, pois daí podem surgir insights importantes. Além disso, uma comunicação aberta é primordial para:

  • engajar a equipe nos propósitos da empresa;
  • conquistar a confiança da sua equipe;
  • dar clareza sobre o que deve ser realizado e sobre o papel de cada um para alcançar os objetivos;
  • permitir um clima sadio de colaboração.

4. Valorize a inovação

Num mercado cada vez mais competitivo e veloz nas mudanças, quem inova sai na frente. Por isso, cabe ao líder que deseja caminhar na estrada da excelência não só incentivar a inovação, mas valorizar as iniciativas inovadoras de cada membro do time. Promova um ambiente criativo, dando liberdade para desconstruir ideias, ousar, pensar e propor soluções novas. Muito mais do que inventar algo novo, inovação significa ser capaz de encontrar novas maneiras de utilizar algo que já existe, apoiando-se em tecnologia e nas necessidades dos usuários.

5. Estimule a melhoria contínua e preze pela execução

Como dito no início, excelência não é um destino, mas uma estrada. Muito mais do que um objetivo é uma cultura, um modo de enxergar a rotina, o trabalho, as tarefas. Chegam mais longe aqueles que nunca estão satisfeitos e que sabem que podem caminhar mais um pouco. No seu dia a dia, uma das maneiras de estimular a melhoria contínua é promovendo um ambiente de aprendizagem permanente, no qual um aprende com os outros. Incentive seus liderados a desenvolver novas habilidades profissionais e pessoais e estimule-os a colocar os novos conhecimentos em prática.

A  excelência está diretamente relacionada à execução das atividades e, por isso, aprender, conhecer, dominar o que precisa ser realizado é tão importante.

E falando em Excelência, nossos cursos podem ajudá-lo nesse caminho: o curso "Excelência no Atendimento ao Cliente", tem como objetivo transformar a maneira como a sua equipe entende o cliente e, consequentemente, atua para alavancar os seus resultados; o curso Princípios de Liderança, prepara os líderes para uma liderança com foco na excelência e o curso Excelência em vendas, prepara sua equipe para uma execução perfeita dos principais passos da venda. Para mais informações, basta falar com a gente.


Gestão da Qualidade e dos Processos Operacionais orientada para Resultados Financeiros

Por Mauro Lúcio Condé*

Esse texto poderia ser escrito de muitas formas, mas preferi contar uma história, fictícia, mas baseada em fatos reais, para mostrar os caminhos necessários para que as ações de qualidade, excelência e gestão e em processos, sejam efetivas.

Essa é a história de Celso

Segunda-feira, 9 horas da manhã.

Celso entra pelo auditório aplaudido por um grupo seleto de pessoas. Entre elas, os donos da empresa, alguns dos maiores acionistas, vários importantes executivos das empresas clientes e fornecedoras, todos os colaboradores, além de alguns repórteres da imprensa especializada em negócios.

Ele sobe ao palco para fazer seu primeiro pronunciamento como novo Presidente Executivo da companhia. Ele começa agradecendo a presença de todos, a confiança e a oportunidade de presidir a empresa.

Logo em seguida, ele aborda, de forma resumida, os principais pontos da estratégia que vai implantar durante sua gestão e seu período de Liderança na empresa. Ele diz que, como CEO, será o guardião do Caixa da empresa e principal responsável pela geração de lucro da companhia.

Diz que o sucesso do seu trabalho será medido pelo percentual de retorno que a empresa gerará para seus donos e acionistas, prometendo se esforçar para que este retorno pelo investimento na empresa supere todo e qualquer retorno se o mesmo dinheiro fosse aplicado em alguma alternativa de investimento do mercado financeiro.

Ele promete ser o maior defensor dos clientes e dos colaboradores e que não medirá esforços para que a empresa atue de forma ética, transparente e sustentável, voltada para a proteção do meio ambiente e cuidado e carinho para com toda a comunidade onde a empresa está instalada.

Entre suas maiores metas ele disse que perseguirá incansavelmente:

  • gerar crescimento;
  •  gerar retorno para os donos e acionistas;
  •  melhorar o caixa (perseguindo um fluxo de caixa sempre positivo);
  •  melhorar o giro dos indicadores mais críticos para o sucesso da empresa (giro dos recebíveis, dos pagáveis, dos estoques e dos processos);
  • aumentar a margem focando ao mesmo tempo no aumento das receitas e redução das despesas de forma permanente e criativa.

Conclusão do discurso

Ele conclui dizendo que seu sucesso será baseado numa amarração inteligente da estratégia a todos os recursos utilizados pela empresa (tempo, gente e dinheiro), e que  todos eles serão direcionados para o atingimento das prioridades definidas.

Diz que a empresa buscará a geração de resultados financeiros e operacionais consistentes, trabalhando de forma orientada de maneira obsessiva para a superação das expectativas dos clientes.

Diz que para atingir a superação das expectativas dos clientes, fará com que a empresa trabalhe para superar as expectativas dos colaboradores, pois, em última instância, serão os colaboradores satisfeitos que garantirão a satisfação dos clientes.

E fecha sua apresentação mostrando o que, para ele, será a ação fundamental para garantir que a empresa atinja todas as metas acima descritas: ele transformará a gestão da empresa numa gestão de nível classe mundial, cuidando do aspecto mais importante para a garantia dos resultados prometidos: a qualidade.

Ele pessoalmente comandará a Gestão da Qualidade e dos Processos Operacionais, pois descobriu, através de anos de prática empresarial, que os processos operacionais ineficazes, ineficientes e sem qualidade são os maiores causadores das insatisfações e frustrações dos clientes e que, por tabela, geram as insatisfações e frustrações dos colaboradores, fazendo a empresa perder clientes e colaboradores importantes e destruindo valor através da obtenção de resultados bem abaixo das expectativas.

Celso disse que focar na excelência da gestão cuidar da qualidade dos processos operacionais significa gerar resultados financeiros e operacionais superiores para superar as expectativas dos clientes e dos colaboradores e que, para isso, utilizará as ferramentas mais modernas e inteligentes para solução de problemas, combinando-as com a exploração de oportunidades de novos negócios, com foco na inovação e na transformação digital da empresa.

A missão de Celso

Esta é a minha grande missão como novo Presidente da empresa, concluiu Celso, aplaudido de pé pela plateia.

A missão de Celso pode parecer difícil para alguns, impossível para outros, mas Celso, assim como muitos outros gestores, sabe que a qualidade e a excelência em gestão e em processos operacionais por si só não representam nada se não tiverem como objetivo final orientação para a obtenção dos resultados financeiros que importam para a companhia.

Para que as ações de Excelência em Gestão e em Processos e de Qualidade Operacional não sejam apenas aplicações técnicas e burocrática que consome recursos (tempo, dinheiro e pessoas), é preciso:

  •  implementar ferramentas modernas e inteligentes de Qualidade, Excelência em Gestão e Melhoria de Processos;
  •  estruturar instrumentos inteligentes para aumentar os principais resultados da empresa;
  •  reduzir perdas e riscos;
  • aumentar o crescimento, o caixa, o giro, a margem, as vendas e, consequentemente, o lucro.

Quer saber como? Entre em contato com a gente e conheça nosso portfólio de ações com foco na excelência em gestão e em processos de qualidade. Ou clique aqui para falar diretamente com as nossas diretoras.

*Mauro Lúcio Condé é Master Black Belt Lean Six Sigma, consultor Endeavor, colunista de jornais e revistas sobre carreira e gestão, fundador do Blog do MaLuCo e parceiro de negócios da Miolo Birô.


Transgredindo para formar equipes de alto desempenho

por Cris Brandão*

Há pouco tempo tive o prazer de assistir ao filme Reset: o novo ballet da Ópera de Paris. O filme é um documentário que conta a belíssima atuação de Benjamin Millepied, como o mais novo diretor do ballet da Opera Garnier, no ano de 2015.

Benjamin, ao contrário de todos os históricos diretores da Ópera, exerce uma liderança que valoriza a diferença entre os bailarinos, respeitando aquilo que cada um tem de melhor.

O filme mostra a rotina de Benjamin nos últimos 39 dias para a estreia mundial de um novo ballet, e deixa claro que ele transgrediu ao tomar inúmeras decisões durante este período, a começar pela escolha dos 16 bailarinos.

Ele não escolheu nenhum solista para compor este time. Preferiu trabalhar com membros do corpo de baile, desprovidos de vaidade, abertos ao novo e com muita vontade de crescer. Escolheu bailarinos distintos, com habilidades complementares, assumindo que nenhum bailarino produz um movimento da mesma maneira. E que, é essa diversidade que produz um resultado tão surpreendente.

Benjamin respeita os limites de cada integrante, pedindo que o avisem em caso de lesões, contrariando os tradicionais maîtres de ballet, sempre exigentes a que os bailarinos sejam levados à exaustão. Como qualquer outro líder de uma grande empresa, ele se prepara para exercer essa liderança, lendo livros como o “Centered Leadership: Liderando com propósito, clareza e impacto”, da autora Joanna Barsh.

Veste-se como os demais bailarinos, colocando-se numa condição de igualdade, propiciando inclusive abertura para que eles participem do processo criativo. Benjamim alerta o grupo para a necessidade de eles se conhecerem, individualmente e também como equipe, mostrando que quando se tem paixão por aquilo que fazemos, o sucesso torna-se consequência dos nossos atos.

Exemplo de liderança eficiente

Comparando Benjamin a um líder de qualquer empresa, podemos dizer que as atitudes dele ao longo do filme podem ser vistas como referência para o exercício de uma eficiente liderança, conforme abaixo:

  • respeitar as diferenças entre os profissionais, potencializando aquilo que eles têm de melhor;
  • respeitar as limitações dos profissionais, não os levando ao estresse e à exaustão;
  • preparar-se tecnicamente para liderar através do exemplo, buscando sempre embasamento teórico e prático na sua maneira de agir;
  • colocar-se numa condição de igualdade com os profissionais, quebrando qualquer tipo de barreira que leve à troca, ao diálogo e à colaboração;
  • promover o autoconhecimento e o conhecimento dos demais integrantes da equipe, sendo capaz de reconhecer seus pontos fortes e fracos, fazendo com que eles se ajudem, mutuamente;
  • fazer com que a equipe encare as metas e os desafios com garra, paixão e determinação, tendo sempre um propósito enquanto indivíduos e profissionais;
  • promover um ambiente leve, amistoso, que proporcione segurança e prazer para os integrantes da equipe;
  • buscar sempre a inovação, mesmo tendo que transgredir, se for o caso, em determinadas situações.

Essas e outras mensagens são facilmente aceitas e compreendidas pelos espectadores, no decorrer do filme. Recomendo fortemente para todos os líderes, sem restrição. Sucesso!

Lá no nosso site você tem um espaço para deixar sua mensagem e falar diretamente com a gente sobre as necessidades de treinamento e desenvolvimento da sua equipe. Acesse miolobiro.com.br/contato.

*Cris Brandão é sócia da Miolo Birô, graduada em administração pela PUC – Minas, tem especialização em Gestão de Marketing, pela Fundação Dom Cabral e Gestão de Telecomunicações, pelo IBMEC.


O que faz uma empresa de Educação Corporativa?

Nos últimos dois anos o cenário corporativo vem se transformando, motivado pelas mudanças econômicas, e muito tem se falado sobre a necessidade de investimento em ações de educação corporativa nas empresas.

Com isso, vários textos e artigos foram divulgados na web explicando os benefícios da contratação e implementação de ações de educação corporativa para a motivação das equipes e melhoria dos resultados organizacionais. Para saber mais sobre Educação Corporativa, clique aqui e aqui.

Mas, o que fazem as empresas que atuam na área de educação corporativa como fornecedoras?

Os 3 itens centrais

Acima de tudo, o papel de um fornecedor de serviços de educação corporativa passa ativamente pela compreensão de três itens centrais relacionados à empresa contratante:

  1. a área de negócio da empresa;
  2. os problemas que a ação de educação corporativa buscará resolver;
  3. os resultados que a empresa espera ter ao final da ação educacional.

Para isso, ações de diagnóstico como levantamento de informações e conteúdos, acompanhamentos in loco, visitas técnicas, entendimento do trabalho das equipes, conhecimento das competências organizacionais, entre outras, são realizadas com o objetivo de auxiliar a composição da estratégia educacional a ser desenvolvida, que deve estar em linha com a estratégia de negócio da empresa.

O papel da empresa de educação corporativa

Mais que produzir conhecimento ou capacitar tecnicamente as equipes para as suas funções, a educação corporativa tem o importante papel de ser a ferramenta de apoio de líderes e gestores na condução das pessoas em direção à realização do plano estratégico das empresas.

Isso quer dizer que não basta sabermos quais são as competências que devemos desenvolver ao elaborar um programa de capacitação, mas sim, que devemos saber por que essas competências são relevantes e a que finalidade elas servem. Afinal, a educação corporativa está intimamente relacionada à educação de adultos. Isso faz com que toda e qualquer situação de aprendizagem elaborada seja útil, relevante e tenha aplicação direta no trabalho que a pessoa que recebe a capacitação realiza.

Por isso, após a etapa de diagnóstico, são realizadas reuniões para definição da estratégia didático-pedagógica e criados planos instrucionais, de comunicação e de identidade visual, para garantir que o material entregue “fale” diretamente com o público final.

Pensada a melhor solução (pesando tempo, custo e qualidade), é hora de produzir o que será entregue, o que envolve equipe de criação (desenhistas instrucionais, designers, conteudistas, revisores, programadores, locutores, especialistas em mídias digitais, coordenadores de ações educacionais) e parceiros (especialistas técnicos, instrutores, tutores) para tornar real o que foi planejado com e para a empresa demandante.

O desafio da empresa de educação corporativa

O desafio da empresa de educação corporativa passa a ser, a partir desse ponto, o de garantir a melhor experiência para o usuário, seja por meio de ações presenciais ou por meio de ações a distância. É nessa hora que instrutores especialistas, tutores qualificados, materiais visualmente agradáveis, tecnologias aplicadas à educação, conteúdos bem elaborados e aplicações práticas devem se juntar criando um cenário receptivo à aprendizagem e à ação e um campo aberto à proposição de ideias e novas atitudes.

Sabemos da relevância que o trabalho de desenvolvimento de pessoas e negócios tem para uma empresa e da importância que o fornecedor tem ao realizar essa ação. Por isso, apostamos, cada vez mais, na parceria e cooperação como forma de trabalho e na elaboração de soluções inteligentes que levem em conta o melhor custo-benefício, o reaproveitamento de recursos em diferentes ações (como objeto de aprendizagem) e o registro das práticas educacionais, ajudando os colaboradores a melhorarem seu desempenho e assim produzirem os resultados planejados pela empresa.

Conheça um pouco das nossas soluções ou agende uma visita com a gente através do e-mail contato@miolobiro.com.br.